17 de ago de 2009

Record x Globo

Desde a semana passada esquenta o clima entre as duas emissoras de TV aberta no Brasil. Uma se sustenta com "doações" e esquemas "estranhos" de capital e a outra vê este mesmo capital indo embora com a queda na audiência. Pergunto a mim mesmo, em que refletir no meio de denúncias e troca de farpas... não sei, por isso continuo na saga da leitura do livro de John Stuart Mill: "Ensaio sobre a liberdade".


João M. A. da Silva
Data: 17/08/2009
Hora: 23h50
Atualizado: 00h05
Momento: Rumo aos 100%
criticasconstrutivas.blogspot.com

2 comentários:

Eliphas Siqueira disse...

Minha namorada, Andresa, e eu comentamos sempre a mesma coisa sobre esse assunto: a Globo parece ter (re)descoberto a América no século XXI!


Todos já sabiam dos desvios de verbas com que o "bispo" construiu sua igreja e, mais do que isso, sua emissora. E todos sabemos, também, que o grupo Marinho nunca foi muito direito em seu caminho.

O que não podemos negar é que a Record, mesmo com suas sessões descarrego dos trezentos e dezoito pastores à meia noite tem o rabo bem menos preso do que a Globo. A Record tratou de prender seu rabo com os protestantes da IURD, enquanto a Globo prendeu seu rabo com quem pode, e agora tem que preencher seu tempo com "Big Brother"s e "No Limite"s para não pagarem por mais tempo de exibição os favores concedidos, tanto ao governo em tempos pregressos.

Mas isso, de ficarem se açoitando em praça pública, vai acabar com dois feridos gravemente.

Samira disse...

Oi João, há quanto tempo!

Esse assunto é bem contraditório e delicado ao mesmo tempo. Na verdade, cada emissora (ou sua administração) possui culpa no cartório. É claro que se percebe o poderio de uma (Globo) em detrimento da outra (Record). Mas em meio a essa guerra de cegos, não dá para ver quem serão os feridos.

Noticio no blog o que rola e, para falar a verdade, não tenho 'favorita' a ganhar. Tanto uma quanto a outra possuem passado e presente com dedo na lama. Fica difícil.

Se a briga fosse para ter uma programação lúdica, que mesclasse entretenimento a educação; informação a crítica (fomentando a criticade e reflexão no público), vá lá. Mas briga de poder, pura e simplesmente, só nos serve para mostrar que, na verdade, elas brigam por interesses próprios.

E pensar que a transmissão é "pública" (teoricamente). Não sei quando essa realidade irá mudar.

É esperar para ver que rumo terá essa história toda.

Abraços!
Samira