22 de ago de 2008

Maldito seja Galvão Oeno

Dizem que podemos escolher, mas nem sempre podemos escapar de vultos ideológicos e filosóficos, infelizmente cuspidos nos ouvidos inocentes que movimentam a massa.

Maldito seja o poder do microfone na mão de alguém. Maldito seja a coerência do que se fala e pensa.

Maldito seja aqueles que nunca ajudaram ou apenas brincam em ajudar.

Quem são os "tatus" que cobram algo, daquilo que nem se quer conhecem.

Maldito seja, não necessariamente a pessoa, mas aqueles que imaginam que sem ajuda alguém consegue algo, que a falta de apoio é suprida por um elogio, que um "vai lá campeão" apaga a cuspida no rosto, que o aplauso alimenta a fome.

Qual foi a sua contribuição para o esporte e quanto dinheiro ganhou em cima do suor de operários.

Quantas crianças você educou. Quais foram suas atitudes!?

Maldito seja, seu verme de terra podre. Fique na sua sala com ar-condicionado e água fresca.

Maldito seja, rato sem opinião coerente, joga com o jogo do momento. Aplaude vento e crítica lesma.

Maldito seja, medíocre profissional. Que sem a qualidade de sua casa e sua equipe, não seria nada.

Como fazer critica com construção com tamanho buraco, difícil mas sempre existe:

Se retire do palco "bem amigo"!





João M. A. da Silva
Data: 22/08/2008
Hora: 13h55
Atualização: 14h10
Momento: Ouvindo merda na TV
criticasconstrutivas.blogspot.com

2 comentários:

Samira disse...

Nossa! Tás com raiva mesmo..rs.

É. Concordo com Kfouri quando critica algumas pessoas do futebol, inclusive pessoas nem tão ligadas assim. Não sei se ele já criticou alguma vez Galvão, mas sinceramente João, confesso que também não vou com a cara dele.

Nunca vi tamanha cara que ele tem para 'motivar' os brasileiros. Gritando aos berros que 'nosso atleta' para lá, 'nosso futebol' para cá. Fazer algo mesmo, nunca vi.

Outra: lembra-se quando estava ocorrendo as etapas da natação em Pequim? Que grito louco era aquele em prol do Phelps? Sem sentido. Quanto a um brasileiro, era um "não vai dar", "desse jeito não vai"... Cielo conseguiu, mas não vi tanto entusiasmo quando ele gritou por ele.

Infelizmente, no jornalismo sempre haverão figuras desse jeito, que conseguem prestígio na casa, das duas uma: ou porque sabe de muitos podres da empresa ou porque já garantiu espaço na massa. Pior do que ele, só Faustão dizendo que não dá para falar x palavra porque o povo não vai entender... É a mesma coisa que chamar esse mesmo povo de burro ou de Homer, como assim o fez Bonner.

Quanto ao blog, e a questão dos bastidores, o que, de fato, nos bastidores? Como são feitas as notas? Como é quem escreve? Não entendi direito.

Abraços e fique com Deus. Às vezes a gente tem que extravasar mesmo...

Samira

João M. A. da Silva disse...

1) Acho que não gosto muito dele mesmo...

2) O "Austão" é triste também, há 20 anos "educando" as pessoas para a bobagem e ainda estufa o peito dizendo que promove campanhas em prol da população e ajuda os outros... triste mesmo...