7 de ago de 2008

As olímpiadas


Antes uma observação: aprendi durante toda minha vida a chamar a capital da China de Pequim agora virou Beijing, não somente internacionalmente mas nacionalmente também. Estranho!?

Bem começa os jogos olímpicos que vão do dia 6 até o dia 24 (abertura 8).

Para mim as olimpíadas é uma forma de mostrar qual país é melhor que o outro, e o esporte se torna patológico porque a medalha vira a deusa da vez.

A excitação da mídia é absurda, quase que chegam ao orgasmo. As palavras herói e heroína só perdem para a de superação.

Primeiro vem aquelas coberturas culturais do país sede, mostram a culinária e o lazer dos habitantes nativos.

Depois todos os jornalistas ficam uniformizados ou com as cores do pais sede ou com as da bandeira do seu país, para mostrar patriotismo (ou falso). Entrevistas nos aeroportos, sorrisinhos e tapinhas nas costas: Vai lá campeão! Traga esta medalha para nós!


Vai lá campeão!?


É a maldita hipocrisia de cobrar resultados, parecem que se esqueceram de olhar para o apoio que o esporte recebeu durante os quatro anos passados.

Se bem que resultados olímpicos ao meu ver não passa de perfumaria.


Caso Tibete

Nessas olimpíadas em especial temos uma particularidade que pela sua grandeza se torna assunto para outro post. Mas o Tibete tem uma grande chance de gritar para o mundo. Pois é um absurdo o que a China faz com o povo tibetano, aliás com o seu próprio povo.

Se tem alguma medalha que mereça ser de ouro iria para a libertação do Tibete. Apesar do regime teocrático tibetano antes da revolução maoista não ser um modelo em termos de liberdade para o povo, acredito que estes 40 anos de exílio tenha mudado a cabeça de Tenzin Gyatso (14.º Dalai Lama) para uma maior liberdade religiosa e econômica de seu povo.


Por que choramos quando ouvimos o hino nacional?

Depois do momento político, voltamos.

Estranho mas a perfumaria nos faz chorar quando escutamos nosso amado hino nacional. A patologia mostra seu lado positivo o lado da emoção.

Ao ver aquela bandeira no topo do mundo no topo da lua nos sentimos super, nos sentimos melhores que todos, não nos sentimos do terceiro mundo, somos os reis agora. Não é o atleta que esta lá mas é todo o povo brasileiro que se superou das adiversidades da vida, das barreiras economicas, do desemprego, dos preconceitos de ser latino, mandamos tudo para o inferno e viramos os melhores, ninguém nos tira daqui de cima, pelo menos vocês irão ter que nos engolir...

...nem que seja por um minuto...

oh... já esta acabando... falta só mais um trecho... espere já vou descer daqui... deixa eu pelo menos ouvir o finalzinho...


o Pátria amada B R A S I L !





João M. A. da Silva
Data: 07/08/2008
Hora: 08h55
Atualização: 09h40
Momento: Risadinhas na TV
criticasconstrutivas.blogspot.com

Um comentário:

Léli "ceLejinha" Watson disse...

Eu também aprendi a chamar de Pequim... Acostumar com Beijing vai ser complicado. x_X"

Gostei muito das suas observações sobre as Olimpíadas...
Eu tenho uma opinião bastante parecida.
Acho tão hipócritas as coisas que se falam sobre os atletas...

Esse falso patriotismo é doentio mesmo! Até parece que o brasileiro é patriota desse jeito!
Chorar no Hino é o cúmulo! Por que as pessoas fazem isso?!

As coisas nunca são do jeito que mostram na tv...
(E os comentários da Globo são ridículos... ¬¬°)

Esperemos pelos próximos vexames...

(Mas a abertura foi bem bonita! ^^)