28 de mai de 2008

Sinto vergonha de mim - Cleide Canton e Rui Barbosa

Achei bem intenso este poema que muitos pensam ser de Rui Barbosa, mas é de Cleide Canton com trecho de Rui Barbosa. Coloco também um vídeo na interpretação de Rolando Boldrim, apresentador do programa "Senhor Brasil" da TV Cultura.







Sinto vergonha de mim - Cleide Canton e Rui Barbosa

por ter sido educador[a] de parte desse povo,
por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade,
por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil
enveredar pelo caminho da desonra.

Sinto vergonha de mim
por ter feito parte de uma era
que lutou pela democracia,
pela liberdade de ser
e ter que entregar aos meus filhos,
simples e abominavelmente,
a derrota das virtudes pelos vícios,
a ausência da sensatez
no julgamento da verdade,
a negligência com a família,
célula-mater da sociedade,
a demasiada preocupação
com o “eu” feliz a qualquer custo,
buscando a tal “felicidade”
em caminhos eivados de desrespeito
para com o seu próximo.

Tenho vergonha de mim
pela passividade em ouvir,
sem despejar meu verbo,
a tantas desculpas ditadas
pelo orgulho e vaidade,
a tanta falta de humildade
para reconhecer um erro cometido,
a tantos “floreios” para justificar
atos criminosos,
a tanta relutância
em esquecer a antiga posição
de sempre “contestar”,
voltar atrás
e mudar o futuro.

Tenho vergonha de mim
pois faço parte de um povo que não reconheço,
enveredando por caminhos
que não quero percorrer…

Tenho vergonha da minha impotência,
da minha falta de garra,
das minhas desilusões
e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira
para enxugar o meu suor
ou enrolar meu corpo
na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim,
tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro !


"De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto". (Rui Barbosa)



Poema de Cleide Canton e Rui Barbosa



Opinião

A poema é um desabafo. No começo interpreto como um crítica as pessoas (incluindo o próprio personagem) e do mundo atual, que não se importam mais com valores morais e éticos universais e com os problemas mais básicos de uma sociedade. Imperando assim, um egoísmo assustador.

Segue-se com um sentimento de impotência, o cansaço da luta por aquilo que se acredita ser o rumo ideal, ou até mesmo a tristeza por nem se quer ter força para lutar ou tentar lutar.

Se agarra em um amor a pátria, apesar de não querer exibi-lo, é como enxugar as lágrimas ou fingir que não esta doendo, mas por dentro a dor é insuportável. Este amor é para tentar renascer o sonho da felicidade e motivação para mudar a vida, ou porque não o mundo!

No final com uma citação de Rui Barbosa (conheça-o aqui) em que se encaixa perfeitamente ao poema e continua sendo muito atual.





PS: Uma sugestão de leitura é o texto "Sucesso" de Roberto Shinyashiki, que coloquei neste blog, veja aqui há 1 ano atrás.




João M. A. da Silva
Data: 28/05/2008
Hora: 17h33
Momento: Voltando a sobriedade
criticasconstrutivas.blogspot.com

4 comentários:

Léli "ceLejinha" Watson disse...

O vinho acabou? ^^

Gostei muito do poema... Não assisti o vídeo mas só o poema já valeu muito!
Às vezes é esse país que me envergonha... Às vezes sou eu que o envergonho por não poder mudá-lo...
E agora?

garrafa e mar disse...

Obrigado pela visita e pelo comentário construtivo. Acredito que a vida humana começa algumas semanas após a concepção e que a lei aprovada já seja bastante restritiva.

Possom estar enganado, por isso é importante lermos críticas construtivas

Abraços!

Obs: o link para quem esta online esta correto?

garrafa e mar disse...

A determinação de quando começaria a vida humana não tem pq ser algo vago, seria uma convenção. Mais uma, entre tantas outras q existem na legislação.
x ou y semanas. ou a partir da concepção mesmo.

Sobre os abusos... Bom, n tenho como te responder adequadamente. O q dizer? Essas coisas acontecem. N deviam.

Muitos estão preocupados com o precedente. O aborto estaria próximo, por exemplo. N acredito nisso, aborto é diferente. Mas o precedente é um aspecto interessante: se todos os embriões são igualmente valiosos, como garantir seus deveres e direitos? A fertilização in vitro seria proibida?

Questão difícil...

Abraços

Samira disse...

A poesia é assim mesmo. É uma forma com a qual buscamos expor determinadas ações e opiniões, utilizando versos e estrofes, em palavras por vezes dóceis. Já escrevi muito e confesso que ultimamente ando meio relapsa. Mas a poesia exposta aqui é bem reflexiva e bonita. Quem nunca sentiu vergonha de si mesmo que atire a primeira pedra...

Quanto ao comentário do Marcelo Leite, que colocaste em meu blog, fiquei estarrecida. Como assim "os jornalistas explicam melhor"? Quê isso, gente! Você mesmo, e eu, e tantas pessoas que refletem neste país já constataram que, geralmente, a mídia só passa uma versão dos fatos, apenas um lado, o de favorável. E, mesmo assim, peca em não expor os lados negativos. Só apresenta os benefícios que, em reportagem divulgada no Jornal Hoje mesmo, a repórter, ela mesma - que não me recordo qual no momento, infelizmente - disse que ainda não há pesquisas definitivas atestando os benefícios oriundos na saúde com o uso de células troncoo embrionárias. E, sendo assim, por que aprovar uma lei determinando seu uso, se tais pesquisas, tão necessárias e seguras para quem dispor utilizar tal técnica, ainda não foram divulgadas, apenas "achismos"?

Você e eu sabemos muito bem quem se beneficiará com isto: as grandes empresas de cosméticos e estética. Futuramente, as pessoas se darão conta, ou não. Quem quiser buscar esclarecimentos pode encontrar, na internet mesmo, diversas reportagens, estas sim, que expõem os dois lados da moeda. Mais uma vez, os conglomerados da saúde farão dinheiro com esta ação.

Desculpa o sumiço... ando meio afastada do pc. rs.

Grata pelas ajudas e dicas de temas interessantes. Temos que ficar de olhos abertos com a imprensa, governos, ações de autoridades e tudo o mais.

Ps.: visse que o Fantástico colocou uma entrevista "exclusiva" com o empresário sueco que possui terras na Amazônia? Não se engane: quem propagou o tema antes foi o portal Notícias da Amazônia e, conseguinte, o portal da revista Imprensa. A vida é assim mesmo...rs

Abraços,

Samira