11 de set de 2007

A volta de Osama Bin Laden

Após ler o caderno de Esportes, abri hoje o caderno Internacional e olhei no calendário, hoje é:


11 de Setembro


Hoje, lembra-se o sexto aniversário do maior atentado terrorista da história. A exatos seis anos, dois aviões se chocaram contra o World Trade Center, um acertou o Pentágono e outro caiu em um campo na Pensilvânia. Totalizando quase 3000 vítimas. Osama Bin Laden, líder da rede terrorista al-Qaeda, assumiu o atentado, que teve a participação de 19 membros.


Osama Bin Laden, gravou recentemente dois vídeos exibidos (quinta-feira 06/09/2007) e outro hoje (segunda-feira 11/09/2007).

No vídeo de quinta-feira, Bin Laden, pede aos americanos que (1) se convertam ao Islã. (2) Pede a retirada das tropas do Iraque e (3) afirma que os Estados Unidos ainda estão vulneráveis a ataques.

Hoje, no novo vídeo, Bin Laden agradece aos "companheiros" de luta que realizaram os atentados, chamandos-os de "heróis".

(*) A autencidade dos vídeos ainda não foram confirmados.



Bin Laden e o Islã


Bin Laden, como dizem, é um radical do Islã.

No Blog do Isam (
Abd' al-Jamil, com textos de Latifa Lakhdar - Data: 31/01/2004) - infelizmente não mais atualizado, encontra-se uma fonte interessante de analise, entre terroristas e o Islã, que coloco resumidamente (na tentativa pelo menos). Grifos meus.

"
O terrorismo que se autodefine ‘islâmico’ está continuamente presente no noticiário cotidiano, e já faz parte da história contemporânea, mas até agora pouco foi escrito e explicado sobre as suas verdadeiras fontes e causas, e menos ainda sobre o movimento ideológico que o sustenta. Um livro recém publicado na Inglaterra, com o título ´Terror’s Source’ (A Fonte do Terror) preenche de forma admirável esta lacuna."

"... em geral todas as manifestações do fundamentalismo islâmico mais fanático, violento e brutal estão ligadas por um único fio condutor e uma única ideologia: o Takfirismo, que por sua vez deriva de uma heresia moderna do Islamismo, o Salafismo (que quer dizer ' passadismo' em árabe)."

"O Salafismo vem deturpando os princípios tradicionais do Islã nos últimos trinta anos, abrindo o caminho para as aberrações dos atentados suicidas, das execuções coletivas, do ódio mortal contra cristãos e judeus, da destruição dos monumentos sagrados (não só de outras religiões, mas até do próprio Islã, como se pode ver em Meca), das mulheres cobertas da cabeça aos pés e proibidas de trabalhar e de estudar, da intolerância religiosa com as minorias e outros excessos inexistentes no Islã tradicional."

"... o que diferencia o Wahhabi-Salafismo, e mais ainda o Takfirismo, do Islamismo, e por que dele acaba surgindo o terrorismo? O Wahhabismo nasce como uma tentativa de modernização do Islã, mas acaba negando seus principais fundamentos. Os Salafis, em nome da autonomia pessoal e da livre escolha, negam todo o cânon dos textos sagrados islâmicos, com a única exceção do Alcorão."

"... os Takfiris vão mais longe: eles ainda arrogam-se o direito de decretar que outros muçulmanos são apóstatas (takfiri em árabe, de onde vem o nome do movimento) porque discordam deles, o que lhes dá o direito de matá-los; rejeitam todas as formas de autoridade política a não ser sua própria, vivem em constante Jihad (guerra santa) contra todos aqueles que não os apóiam (inclusive os demais muçulmanos), e finalmente não aceitam nenhuma limitação quanto aos alvos de suas ações violentas ..."

"... a maioria dos secretários e prosélitos do Salafismo mal sabe ler e nunca leu livros. Mesmo a maioria dos próprios xeques Salafi sabem pouco ou nada das doutrinas islâmicas, senão nem poderiam aderir a um movimento que distorce e manipula a doutrina sagrada e refuta seus exemplos mais elevados."

"O Salafismo tira proveito da desculturação das massas muçulmanas, que foram perdendo suas características culturais, suas tradições, suas estruturas internas e seus princípios sob a pressão do mundo moderno e ocidental, para recriar e impor um Islã pretensamente “universal” ... "

"Os alvos do Salafismo não são as comunidades reais, ainda sólidas e estruturadas, mas os indivíduos isolados, produto do desmembramento de suas nações, coletividades, famílias, que buscam sua identidade perdida numa fé sem passado, sem fundamentos reais, sem verdadeiro conteúdo a não ser um fanatismo primário, cego e obtuso."



Opinião

"Neste momento George Bush esta em uma reunião com Osama Bin Laden, em uma sala reservada aos dois, e lá discutem suas diferenças! - Osama Bin Laden pede perdão e George Bush e seu povo aceita, e promete total liberdade religiosa, cultural e política a outros povos, diferentes do capitalismo e da democracia norte americana" - O Jornal do Sonho da Paz - 11/09/2007

Quando entramos em conflito a melhor forma é o diálogo, quando a outra pessoa não quer dialogar, devemos tentar buscar a Sabedoria do Silêncio e procurar o bem para ambos. Por mais terrível e assustador que a outra pessoa possa oferecer, a palavra pedir perdão e aceitar o perdão se tornam grandiosas.

Existem muitos exemplos de diálogos e de lutas pacíficas (Mahatma Gandhi, Martin Luther King, etc.).

Claro, que Bin Laden, com seu fundamentalismo (bem explicado acima) certamente não tem essa preferência, mas, coração e mentes todos os seres humanos têm, e ele é um homem inteligente e sábio, mesmo tendo direcionado-os para fins tristes e malignos.

Nas diferenças, temos que tentar conhecer todos os fatores e toda a história que cerca, para se chegar a uma conclusão. Particularmente não tenho uma, mas deixo alguns questionamentos:


Algumas reflexões:


1) O que quer Osama Bin Laden? Sua causa é legítima?

2) Se todos os líderes terroristas forem mortos, acabará o terrorismo? Não haverá mais seguidores?

3) Se cada povo tiver sua real independência religiosa, cultural, territorial e política como ficaria a divisão mundial?

4) O que fazem os EUA no Iraque?

5) O mundo "capitalista americano" e sua "democracia", são universais a todos os povos?

6) Como se lidar com um radical?

7) Por que os verdadeiros religiosos do Islã, não criticam publicamente e não lutam contra Osama Bin Laden?



Referências

LauraMansfield (http://www.lauramansfield.com/j/default.asp) Acessado em 11/09/2007
G1 (http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL102392-5602,00.html) Acessado em 11/09/2007
Folha Online (http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u327359.shtml) Acessado em 11/09/2007
Le Monde (http://diplo.uol.com.br/2007-08,a1845) Acessado em 11/09/2007
Blog do Islam (http://islam.zip.net/) Acessado em 11/09/2007




João M. A. da Silva
Data: 11/09/2007
criticasconstrutivas.blogspot.com

Nenhum comentário: