20 de jun de 2007

O cinema brasileiro hoje: jun/2007

Esta notícia foi tirada do Blog do Jornalista Luiz Nassif (http://luisnassif.blig.ig.com.br/)

Enviado por: vinicius reis


Caro Nassif,

vamos falar de cinema brasileiro? O jornalista Luiz Zanin postou a nota abaixo em seu blog no Estadão. Merece reflexão e no mínimo um bom debate, já que parece muito difícil mudar a situação.

Abraços e boa estada no Rio.

Será que ninguém reage?

por Luiz Zanin, Seção: Cinema, Atualidades às 13:13:49.

Amigos, confiram esses dados e reflitam:

705 salas de cinema exibem Shrek 3
582 salas exibem Piratas 3
325 salas exibem Homem Aranha 3.

Este país aqui, que ainda atende pelo nome do Brasil, tem um total de 2.050 salas de cinema. Sobram, portanto, para todos os demais filmes, brasileiros e estrangeiros (inclusive norte-americanos de menor porte), 438 salas. Será que dá para pensar numa política de diversidade cinematográfica com uma invasão desse tipo, livre de qualquer regulamentação? É só uma pergunta. Se quiserem, ou puderem, respondam.

Opinião:

Aonde esta a cultura brasileira? Será que o Brasil não produz filmes?

Sim, produz, na maioria de baixos orçamentos e que nas suas narrativas aparecem:
- Sofrimento do povo nordestino;
- Algum diretor, que se diz, contemporâneo, fazendo filme que só ELE consegue assistir depois;
- Ou então alguma extensão de série da Rede Globo, de qualidade discutível.

Vejo que falta no Brasil um pouco de viajem fantasiosa, se querem que seus filmes sejam vistos pelo povo, façam filmes para o povo. Se querem fazer por arte, façam por arte (mas não reclamem se ele não passar no cinema).

Os filmes americanos, conquistaram seus espaços, justamente por trabalharem com a fantasia das pessoas. E hoje se move pelo dinheiro das bilheterias. Veja no exemplo acima: Sherek, um animal verde, Spiderman, uma aranha vermelha, Piratas do Caríbe, Um pirata maluco! - É uma tremenda viajem cinematográfica.

Acredito então, que não basta colocar cotas, por exemplo, pois estará induzindo pela força algo que tem que ser por paixão.

As pessoas deveriam assistir filmes brasileiros pela qualidade, não pelo artista que esta na novela, ou porque o ingresso esta a R$ 1,00.

De onde cobrar então?

Dos autores! diretores! - por que na novela da Rede Globo, você encontra qualidade [parte técnica], locação de cena fora do país, grandes trabalhos de fotografia e figurino e nos filmes, nada disso?

Outra, claro, orçamento, o produtor não tem dinheiro, por exemplo de fazer um trabalho de efeitos especiais, só lhe restar fazer filme sobre o nordeste e favela do Rio.

Não sei se o governo, tem grande culpa, talvez reduzir alguns impostos e ajudar em algumas locações.

Tecnologia, também é algo fundamental. Um estúdio de animação no Brasil, financiado pelo Governo, é uma boa! Poderia ser montado com Software Livre!

O Dinheiro é a resposta de muita coisa.

Agora isso é um reflexo também de uma frase muito comum pelo Brasil:

Sorria você esta sendo filmado!

3 comentários:

Samira disse...

Olá João Messias. De fato, o cinema brasileiro não é muito apreciado pelos seus próprios "conterrâneos". EM cotnrapartida, todos adoram ver um filme norte-maricano, que abusa do uso de pornografia e cenas com o uso mais abusivo de violência. Como se não bastase a violência diária, as pessoas, com sua natureza mórbida interior, sentem a necessidade de ver corpos sendo trucidados, sangue e outras coisas repulsivas. E por falar em Sherek, estava ontem mesmo conversando com um amigo meu - operador de cinema - sobre a indicação por idade quanto ao filme: este se diz livre para todas as idades. Entretanto,v vendo as primeiras edições do filme - Sherek 1 e 2 - percebe-se a presença de algumas piadinhas e atos praticados pelo monstro verde que não são tão inocentes assim.. Ou seja, as nossas crianças, de nove à onze anos, já sabem muito bem as coisas que deveriam aprender somente com seus 15 ou 16, e continuam a aprender tudo isso em filmes destinados a elas.. é um caso que deveria ser revisto, mas que ninguém leva a sério, infelizmente.. E sim, há muito dinheiro destinado às novelas, que não enriquecem em nada os intelectos de todos nós, mas que muitos se deixam vangloriar por este pão e circo. Enquanto isso, a literatura morre e o cinema, pelo jeito, também. Tudo para alienar, mais e mais, os muitos brasileiros que pouco têm.

Bom, quanto ao comentário que você fez,a respeito da tal Ministra do Turismo - não sei o que ela faz lá, depois daquele comentário sem noção - realmente a corrupção nasce desde o pequeno furto da caneta que foi esquecida em cima de uma mesa, até a omissão de informações importantes a outrem, sobre determinada situação. Enfim, a corrupção, quando ativada nos seres humanos, vive em cumplicidade com este. Os psicólogos dizem que quem é corrupto já nasce com o mal. Mas será que este não pode atingir quem é , digamos, imaculado? É uma questão a se pensar, também. ENfim, é bom conversar contigo, como já disse, muitos somente sabem fazer críticas sem embasamento, para ferir os outros, quanto você se propõe à discussão. Abraços e fique com Deus!
Samira

Pedro Paulo disse...

Olá amigo...
Qdo estive em Porto Alegre no FISL (Fórum Internacional de Software Livre), pude ver algumas iniciativas independentes...
por exemplo o "Estúdio Livre: Criei, Tive Como".
Eles produzem todos os tipos de mídia de forma colaborativa com softwares livre (diminuindo os custos) e incentivam o desenvolvimento do cinema nacional...
Mas o projeto ainda não possui a visibilidade que merece, e meu medo é: "Será que um dia terá?".

Torcendo para que um dia isso aconteça, aqui vai o link http://studiolivre.org

Pedro Paulo disse...

só como correção:

Link:
http://estudiolivre.org/